O Supremo Tribunal Federal (STF) irá investigar o ministro do Esporte, Orlando Silva, pela suposta prática de crimes contra a administração pública, envolvendo desvio de recursos do programa Segundo Tempo, o qual destina verba a ONGs para incentivar os jovens a praticar esportes.

As informações são da Consultor Jurídico:

O ministro do Esporte, Orlando Silva, será investigado pelo Supremo Tribunal Federal pela suposta prática de crimes contra a administração pública, envolvendo desvio de recursos do programa Segundo Tempo. O pedido da Procuradoria-Geral da República foi aceito, na terça-feira (24/10), pela ministra Cármen Lúcia. A decisão foi divulgada nesta quarta-feira (25/10).

* * *

Acompanhe o Prof. Medina no Twitter e no Facebook

Para notas comparativas entre o CPC/1973 e o projeto do novo CPC, veja o livro Código de Processo Civil Comentado – com remissões e notas comparativas ao projeto do novo CPC.

Conheça a coleção Processo Civil Moderno.

* * *

Em reportagem publicada na revista Veja, o policial militar João Dias acusou o ministro de participar de um esquema de desvio de recursos públicos do programa. O acusado nega que tenha participado do esquema.

Na terça-feira (18/10), o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou à Polícia Federal a proteção especial de João Dias Ferreira. O ofício solicitando, em caráter de urgência, a proteção especial a Ferreira foi entregue ao Ministério da Justiça pela liderança do PSDB.

Orlando Silva se defendeu das acusações desde o fim de semana, quando a revista com as declarações foi publicada. Em audiência na Câmara dos Deputados, Silva provocou seu algoz a provar o que diz e foi aplaudido pelos deputados governistas. “Se há o que denunciar, que faça, procure a Polícia, o Ministério Público, a imprensa. Faça a denúncia e prove. Até agora, esse desqualificado não provou nada, porque não tem provas. Quem tem provas contra ele sou eu, os autos dos processos que fizemos para recuperar os recursos públicos.”

O ex-ocupante da pasta e atual governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, também é acusado de desviar dinheiro do programa. De acordo com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, há uma “relação intensa” entre os casos.

Os autos do Inquérito 761, que tramita naquela Corte contra Agnelo, deverão ser encaminhados pelo Superior Tribunal de Justiça ao Supremo em 48 horas. Também serão enviados ofícios ao Tribunal de Contas da União e à Controladoria-Geral da União para que esses órgãos informem, em até 10 dias, se foram instaurados procedimentos relativos a eventuais desvios de recursos públicos do programa Segundo Tempo.

O Ministério dos Esportes terá que enviar Supremo, também em dez dias, cópia integral dos procedimentos relativos aos convênios com a Federação Brasiliense de Kung Fu, a Associação João Dias de Kung Fu, o Instituto Contato e a ONG Bola pra Frente/Pra Frente Brasil, no âmbito do Programa Segundo Tempo.

A ministra negou os pedidos de Roberto Gurgel para tomar depoimentos de Orlando Silva, Agnelo Queiroz, do PM João Dias e do motorista Célio Soares Pereira, que disse ter visto a movimentação de dinheiro no Ministério. Com informações da Assessoria de Comunicação do STF.

Inquérito 3.333

fonte: Consultor Jurídico.

About these ads