Artigo sobre direitos das mulheres de nova constituição provoca protestos na Tunísia

Artigo sobre direitos das mulheres de nova constituição provoca protestos na Tunísia

Eis a reportagem do El País, e publicada na Unisinos:

Nos dias seguintes, jovens salafistas (islâmicos extremistas) causaram incidentes que obrigaram a cancelar três festivais culturais. Os artistas acusam o governo – uma coalizão liderada por islâmicos do Ennahda com dois partidos laicos – de não enfrentar esses grupos radicais.

***

Acompanhe o Prof. Medina no Twitter e no Facebook

Para notas comparativas entre o CPC/1973 e o projeto do novo CPC, veja o livro Código de Processo Civil Comentado – com remissões e notas comparativas ao projeto do novo CPC.

Conheça a Constituição Federal Comentada

* * *

A sociedade tunisiana é há décadas a sociedade árabe mais laica e liberal. Uma situação que os menos religiosos querem preservar depois da vitória em outubro do Ennahda com 41% dos votos.

Cerca de 6 mil pessoas protestaram no centro de Túnis, alarmadas pela redação proposta para o artigo 28 da nova Constituição, que contempla a mulher “sob o princípio de complementaridade de funções com o homem na família”.

Grupos de direitos humanos, civis e feministas consideraram que o dia 13 de agosto, 50º aniversário da aprovação do Código de Estatuto Pessoal, era a data idônea para lançar uma advertência. Marcharam para reivindicar a lei de 1956 que consagrou homens e mulheres como cidadãos iguais, vetou a poligamia, proibiu o véu, estabeleceu um processo judicial para o divórcio e exigiu o consentimento mútuo para o casamento, segundo explica o site Tunisia Live.

“O aniversário foi importante, mas o que mais nos mobilizou é o artigo 28”, explica por telefone a ativista feminista Rim. “Mulher, levante-se para que seus direitos estejam consagrados na Constituição“, dizia um dos cartazes. Outra ativista dos direitos humanos, Nasrin Hasan, critica por telefone, de Túnis, que a redação proposta só contempla as mulheres casadas.

O porta-voz da presidência, Adnane Moncer, afirmou que os direitos adquiridos “não pertencem às mulheres, mas também à sociedade”, e afirmou que qualquer passo atrás “é impossível porque essas conquistas foram obtidas pela sociedade tunisiana e são aceitos unanimemente”.

O assunto dos direitos das mulheres é um dos que despertam mais paixões e repercussão na mídia, mas de modo algum é o único foco de debate na transição na Tunísia. Também se discute a independência judicial ou a liberdade de imprensa.

Grande preocupação é provocada pela crescente influência dos salafistas, encorajados desde a queda do ditador, que em junho causaram graves distúrbios. Na última terça-feira (14), um grupo de radicais se pôs a rezar na sala onde o ator Lotfi Abdelli apresentava o espetáculo intitulado “100% Halal” (palavra que define o que é adequado no islã) e “aterrorizou” o público. “Havia agentes de polícia, mas estavam esperando uma ordem oficial para intervir. O silêncio do governo é o mais preocupante”, diz Abdelli. Os outros dois espetáculos anulados por pressões salafistas eram um concerto de música sufi e um festival para reivindicar Jerusalém como capital palestina. O que indignou os extremistas sunitas nesses casos foi a participação de xiitas nos atos.

fonte: El País, Unisinos, por Naiara Galarraga.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s