A democracia como pressuposto de desenvolvimento econômico

A democracia como pressuposto de desenvolvimento econômico

Em artigo publicado no Instituto Unisinos, Afonso Maria Chagas comenta alguns princípios postos por Stefano Zamagni a respeito da democracia.

Eis o artigo:

“É evidente que a democracia não pode consistir unicamente dos mecanismos da representação e da tutela de interesses”. Eis a base da argumentação proposta por Stefano Zamagni, economista italiano, autor do texto “Democracia, liberdade positiva, desenvolvimento”, publicado nos Cadernos IHU Ideias, nº 157.

* * *

Acompanhe o Prof. Medina no Twitter e no Facebook

Para notas comparativas entre o CPC/1973 e o projeto do novo CPC, veja o livro Código de Processo Civil Comentado – com remissões e notas comparativas ao projeto do novo CPC.

Conheça a coleção Processo Civil Moderno.

* * *

A busca por tentar compreender a realidade, na forma como se apresenta, nestas últimas três décadas do processo de globalização, implica em enfrentar a questão da relação entre as esferas civil, política e econômica. Tais contextos são vinculados pelo frágil elo da política.

Esta dimensão política enfrenta o forte impacto da globalização e de suas consequências, sobretudo a desfiguração do Estado-nação, e de outro lado a emergência do fenômeno do pluralismo cultural como uma crítica às “pretensões universalistas” e toda uma gama de conflitos decorrentes. A relatividade e a parcialidade dão o tom da “suspeita” contra as uniformidades globalizantes.

Para Stefano Zamagni três princípios se apresentam como balizas fundamentais para a compreensão de determinada ordem social pautada pelo princípio democrático:

1) O princípio da permuta de equivalentes, instituído na base do contrato e ao qual se requer eficiência;

2) O princípio de redistribuição e assim o estabelecimento de níveis decentes de equidade para a cidadania;

3) O princípio da reciprocidade visando favorecer a difusão da cultura da fraternidade.

Por sua vez, o modelo de democracia que se configura no fenômeno da globalização não tem dado conta de implementar uma proposta democrática pelo fato de que tal processo tende, por si, a reduzir as pobrezas em sentido absoluto, aumentando aquelas em sentido relativo. Em outras palavras, o mecanismo da globalização acaba sendo eficiente na produção de novas riquezas, mas impotente na redistribuição entre todos aqueles que participaram na criação daquela riqueza. No plano cultural a globalização, também, atenta contra as variedades culturais, sobretudo por sua perspectiva homogeneizante. Em outros termos, a globalização acaba gerando uma crescente separação entre os lugares nos quais é produzida a cultura e os lugares nos quais ela pode ser usufruída. Trata-se aqui do fenômeno imposto da desterritorialização como condição de possibilidade das “benesses” da globalização.

Para este paradigma econômico-social-cultural-político, o modelo de democracia que vige é o modelo elitista-competitivo que não consegue colocar a liberdade individual em sintonia com o bem comum. De tal forma, a liberdade de escolha não se faz suficientemente forte para fundar o consenso. Faz-se imperativo, pois, pensar em outro modelo de democracia.

A democracia deliberativa, no caso, expõe inicialmente o arranjo institucional de cada país. Em tal arranjo instituem-se organizações políticas e econômicas, com suas regras próprias, seja para assegurar o funcionamento de uma economia de mercado, seja para garantir o acesso ao jogo econômico por parte dos cidadãos. No jogo econômico do mercado sob a ótica da globalização tem prevalecido a lógica do crescimento mais que a ampliação dos espaços de liberdade dos cidadãos, na clarividente lição de Amartya Sen. Nesta formatação a democracia acaba consistindo unicamente em mecanismos de representação e tutela de interesses. Aqui, a sociedade não é compreendida como o fim da política, mas com mero objeto. O agir político apresenta-se, neste modelo, como que desvinculado da influência da sociedade e, o que é pior, neutraliza-se a responsabilidade das decisões que venham ser tomadas, isto é, a imputabilidade pessoal do agir político.

A proposta da democracia deliberativa inicialmente pressupõe em rever o agir político superando o “curto-prazismo” por uma plataforma política que coloque na agenda os interesses das gerações futuras. Neste campo, as opiniões e preferências do imediatismo precisam passar pelo filtro de escolhas políticas horizontais, pensadas numa perspectiva futura e muito além da concepção “economicista” de cidadania, tangida por especialistas ou orientada por lobbies econômicos, onde o cidadão é persuadido a desempenhar um papel passivo no processo democrático.

A democracia deliberativa, ainda, vocaciona-se à tarefa de ressignificar a proposta do “bem-estar”, da dimensão do que seja “público” ou “social” e, sobretudo, serve como proposição contra a ideia corrente que oficializa ou potencializa a desigualdade como diferença. A desigualdade entre pobres e ricos, hoje em dia, não é somente uma desigualdade econômica, mas também diferença.

A estas alturas, portanto, pode-se falar em um modelo de democracia econômica, segundo Zamagni, onde convergem três propostas:

a) A ação de um mercado plural, onde se pratique realmente as condições de paridade, também nas instituições econômicas;

b) A criação de mercados de qualidade social, numa perspectiva de bem estar, capaz de potencializar a liberdade de escolha e o universalismo das prestações;

c) A instauração de uma ideia de consumidor socialmente responsável, ou seja, além da responsabilidade social da empresa, também o cidadão, como consumidor, não pode ser considerar exonerado das suas obrigações.

Há, neste campo, um conjunto de iniciativas estratégicas e simbólicas sinalizando o caminho a ser percorrido: as iniciativas do consumo crítico, das finanças éticas ou ainda as microfinanças, entre outras. Isto, por outro lado, significa que muitos hoje desejam e podem sair da pobreza não pela via do assistencialismo público ou privado, mas pelas oportunidades que o próprio mercado possa ou tenha condições de oferecer.

Não só a realidade política, tal qual configurada pelo fenômeno da globalização, mas também a dimensão econômica precisam ser repropostas democraticamente, onde o espaço público seja mais que o espaço estatal, e o espaço político não seja invadido e direcionado exclusivamente pela lógica econômica. Nesta redefinição a deliberação política deixaria de estar escravizada a compromissos e interesses corporativos e se modularia pelo consenso e pelo diálogo com a sociedade, obstinadamente conduzida pelo desafio da implementação do bem comum. A deliberação econômica, por sua vez, levaria em consideração a ideia de responsabilidade, seja empresarial ou consumerista, visando assim objetivos socialmente legitimados.

A versão completa dos Cadernos IHU Ideias, nº. 157, encontra-se disponível neste sítio.

fonte:Instituto Unisinos, por Afonso Maria das Chagas

Anúncios

Uma opinião sobre “A democracia como pressuposto de desenvolvimento econômico

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s