Resolução do Conanda considera como abusiva toda publicidade voltada a crianças

Carta Capital, por Renato Godoy

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente publicou no Diário Oficial no último dia 4 a resolução 163, que considera como abusiva toda a comunicação mercadológica voltada à criança.

Renato Godoy, sociólogo e pesquisador do Instituto Alana, afirma que o mercado aposta na criança como consumidora, com forte poder de influência na maioria das compras realizadas pelos pais e responsáveis. Entretanto, essa ideia da criança promotora de vendas confronta o artigo 227 da Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente, que preveem a noção da criança como um sujeito de direitos. Ademais, a publicidade direcionada à criança tira proveito de um indivíduo em desenvolvimento físico, social e psíquico que não possui plenitude de senso crítico.

O pesquisador expõe o fato de o mercado publicitário ter, no entanto, ignorado a resolução do órgão, alegando ser competência exclusiva do Legislativo tratar de normas para a publicidade, tentando assim, deslegitimar a atuação do Conselho Nacional.

* * *
Acompanhe o Prof. Medina no Twitter e no Facebook

Folheie as obras do Prof. Medina: 
CF Comentada 
CPC Comentado
Código Civil comentado

Processo Civil Moderno, volumes 1, 2, 3 e 4 
* * *

Porém, Godoy explica que a resolução do Conanda não cria uma nova lei sobre a prática de publicidade, mas normatiza práticas abusivas também contempladas no artigo 37, § 2º do Código de Defesa do Consumidor, que considera ilegal a publicidade que se vale da deficiência de julgamento e experiência da criança. Além disso, os Conselhos Nacionais são partes indissociáveis do Estado Democrático de Direito, forjado na Constituição de 1988.

Segundo o sociólogo, “para que e os Conselhos Nacionais se consolidem como esse mecanismo transformador e promotor da inclusão da sociedade nos rumos do país, suas resoluções precisam ser respeitadas. A vigência da Resolução 163 do Conanda será, portanto, um passo importante para a sociedade civil se firmar como uma das protagonistas na condução das políticas públicas e na efetivação da noção da criança como prioridade absoluta”.

Veja o texto na íntegra aqui.

Fonte: Carta Capital.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s