Medida Provisória estimula litigiosidade

Valor Econômico, por Laura Ignacio e Beatriz Olivon

Publicada na última sexta-feira (27), a Medida Provisória nº 699 traz uma série de novidades, dentre elas, o incentivo às empresas para procurar o Judiciário na tentativa de recuperar antigos pagamentos de contribuição previdenciária. A partir de junho, a MP torna possível que a empresa escolha o modo de recolher o tributo: pela folha de empregados, forma utilizada pelo regime antigo ou pelo faturamento, que até então, era obrigatório.

Atualmente, um grande número de setores encontra-se obrigado a realizar o recolhimento pelo faturamento, medida que prejudica as empresas, aumentando a tributação para todos aquelas que fazem pouco uso de mão de obra.

Com a MP as empresas estarão autorizadas a aplicar 20% sobre a folha e haverá um aumento das alíquotas sobre o faturamento, mudando de 1% para 2,5% e de 2% para 4,5%, dependendo do segmento ou produto.

O recolhimento de contribuição previdenciária por meio do faturamento foi criado em 2011, com a Medida Provisória nº 540, simultaneamente ao lançamento do programa Brasil Maior, elaborado pelo governo federal para incentivar o crescimento econômico do país.

* * *

Acompanhe o Prof. Medina no Twitter e no Facebook

Folheie as obras do Prof. Medina: 
CF Comentada 
CPC Comentado
Código Civil comentado

Processo Civil Moderno, volumes 1, 2, 3 e 4 
* * *

Alguns contribuintes prejudicados buscaram o Judiciário para questionar a MP 540, mas, foram poucas decisões favoráveis a respeito do assunto. Uma delas ocorreu em 2014, na qual o Tribunal Regional Federal da 4ª Região autorizou uma empresa atuante no corte e preparação do aço a continuar o recolhimento por meio da folha de pagamentos.

Para Rafael Nichele, advogado representante de uma das cooperativas que contestou a MP 540 na justiça, apesar da MP 699 não apresentar expressamente efeito retroativo, ela permite que as companhias que tiveram prejuízos não se sintam receosas em solicitar o ressarcimento dos valores pagos anteriormente.

Leia o texto na íntegra aqui.

Fonte: Valor Econômico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s