O Tribunal de Guantánamo…em que século estamos?

O Tribunal de Guantánamo…em que século estamos?

Em artigo publicado no blog Dimensão Constitucional, a professora Carina Gouvêa discute um polêmico tema do cenário jurídico internacional. Trata-se do Tribunal de Guantánamo,  onde serão julgados os não cidadãos acusados de terrorismo e será composto por juízes militares americanos.

Eis o artigo:

A prisão de Guantánamo está localizada no  sudoeste de Cuba, sob a administração dos Estados Unidos. O acordo celebrado entre os países, possibilitou aos Estados Unidos controlar e realizar operações navais na base. Após o ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 ocorrido nas cidades de Nova Iorque e Washington se tornou o centro de detenção de acusados de envolvimento com o terrorismo. O grupo responsável pelo ataque  foi a  Al-Qaeda – Organização  Fundamentalista Islâmica constituída por células colaborativas e independentes que visa, também, reduzir a influência não islâmica.

***

Acompanhe o Prof. Medina no Twitter e no Facebook

Para notas comparativas entre o CPC/1973 e o projeto do novo CPC, veja o livro Código de Processo Civil Comentado – com remissões e notas comparativas ao projeto do novo CPC.

Conheça a Constituição Federal Comentada

***
Estima-se que a prisão possui 779 pessoas detidas. O objetivo é a obtenção de informações privilegiadas [2]. Há   ainda registros de violações dos Direitos Humanos como  tortura, transporte inadequado de detentos, abuso sexual, espancamentos, intolerância às práticas religiosas, detenção de crianças, dentre outros.
A maioria dos detentos são de origem afegã, paquistanesa e iraquiana e estão detidos   sem acusação formal e julgamento.
Apesar das pressões internacionais como a da  Cruz Vermelha, da Anistia Internacional, da ONU, que requerem o fechamento  imediato da prisão e das promessas de Barack Obama, a mesma continua a existir e indivíduos permanecem detidos arbitrariamente em clara violação ao direito internacional e humanos.
Controvérsias ainda em construção, como o recente recurso encaminhado ao Tribunal Federal  onde o  departamento de Justiça dos Estados Unidos acusou uma juíza federal de Nova York de “intrusão judicial extraordinária e injustificada em matéria de responsabilidade constitucional dos Poderes Executivo e Legislativo”.
O governo Obama solicitou a suspensão temporária da decisão proferida pela Juíza de Nova York que considerou inconstitucional  uma lei que autoriza detenções de suspeitos de terrorismo por tempo indeterminado, sem acusação formal e julgamento[1].
Para processar e julgar os detidos em Guantánamo o Congresso americano criou o Tribunal de Guantánamo, onde serão julgados os não cidadãos acusados de terrorismo e será composto por juízes militares americanos.
De acordo com o Promotor-chefe de Guantánamo, o Brigadeiro-General Mark Martins [3] o tribunal será “imparcial” e “os jurados militares provenientes de unidades em todo o mundo serão escolhidos porque são os mais qualificados para o dever em razão da idade, formação, educação, experiência, tempo de serviço, e temperamento judicial”.
Em que pese o julgamento dos detidos e acusados formalmente será aplicada a Constituição Americana?
Em depoimento, o juiz militar James Pohl [4] se manifestou no sentido de que deve-se lidar com os desafios constitucionais de forma individual e conforme forem surgindo. Serão julgados cinco homens acusados de tramar os ataques de 11 de setembro. O assunto surgiu em uma audiência de pré-julgamento em  os réus poderiam ser sentenciados a pena de morte.
Críticos têm alegado que a base de Guantánamo foi escolhida pelo então Presidente George W. Bush, porque acreditava que assim, a lei americana não alcançaria os seus detidos. A Suprema Corte decidiu em 2008 que, embora eles não sejam cidadãos e tenham sido detidos fora dos Estados Unidos tem a garantia constitucional  do “habeas corpus”. Ou seja, de contestar sua detenção na justiça e que os Estados Unidos tem “soberania de fato”, porque a base cubana está inteiramente sob controle dos EUA. Não se sabe ainda se os detentos terão direitos constitucionais como o devido processo legal, de não ser submetido a punição cruel e incomum, ou o direito de ampla defesa e contraditório, conforme noticiado.
O Procurador Barro Trivett afirmou que  quando o congresso aprovou a lei, claramente, não tinha a intenção de conter  todos os direitos que teriam se fossem os réus julgados em Tribunais  Federais dos Estados Unidos sob a égida da constituição americana.

Importante mencionar o Tribunal Penal Internacional, com jurisdição universal,  criado  pelo  Estatuto de Roma de 1998 tem por objetivo primordial punir e responsabilizar  individualmente os piores e mais bárbaros crimes que ocorreram contra a humanidade e sua dignidade, assegurando aos acusados um julgamento justo.

Os marcos que antecederam a instituição do tribunal, foram os tribunais ad hoc criados pelo Conselho de Segurança da ONU para os países que estavam em conflito, como o Tribunal e Nuremberg e Tóquio e Ruanda, a partir das duas grandes guerras.

O Tribunal Penal Internacional possui cento e vinte Estados-partes, que assinaram o estatuto, incluindo os Estados Unidos e possui 111 ratificações aceitando plenamente a sua jurisdição, pois não cabe ratificações com reservas.
Regulado pelo princípio da complementariedade e com competência para julgar os crimes de genocídio, de agressão, crimes  contra a humanidade e crimes de guerra, é constituído por 18 juízes de várias nacionalidades e é imparcial!
Os acusados detidos em Guantánamo não poderiam ser submetidos ao presente Tribunal por  questões como: os Estados Unidos apesar de assinar o estatuto não ratificou; a competência ratione temporis,  a  vigência do tribunal iniciou-se a partir de 1º de julho de 2002 e os ataques ocorreram em 2011; o “crime de terrorismo” não tem tipificação própria no estatuto.
Mas, terrorismo não poderia ser considerado um crime contra a humanidade? Conforme o estatuto este crime está vinculado a um contexto de conflito armado internacional ou interno, o que não englobaria as acusações apresentadas. Será que vale uma revisão?
Apesar das possíveis atrocidades cometidas pelos acusados…sustentar a possibilidade de os acusados não terem direitos humanos e fundamentais mínimos garantidos e um julgamento justo, me faz indagar em que século estamos?

[1] Guantánamo. [imagem online]. Disponível em < http://www.valinor.com.br/7709/>. Acessado 21 de out 2012.

[2] Informações obtidas através dos Wikileaks no ano de 2011. Disponível em < http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/wikileaks/8471907/WikiLeaks-Guantanamo-Bay-terrorist-secrets-revealed.html>. Acesso em abr de 2011.

[3] U.S. Department of Defesa. Judge Postpones 9/11 Hearings as Guantanamo Prepares for Storm. Disponível em < http://www.defense.gov/news/newsarticle.aspx?id=117601>. Acesso em 20 de out de 2012.

[4] Migalhas Internacional. Judge in 9/11 case weighs whether Constitution applies at Guantanamo. October 19, 2012 nº 1,239 –  Vol. 10.

fonte: Dimensão Constitucional, por Carina Gouvêa

Anúncios

Uma opinião sobre “O Tribunal de Guantánamo…em que século estamos?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s